top of page
Buscar
  • Foto do escritorBob Kellemen

10 PRINCÍPIOS BÍBLICOS SOBRE EMOÇÕES — EXTRAÍDOS DA VIDA EMOCIONAL DE CRISTO

Nossa falsa teologia das emoções


Descobri que isso é verdade sobre mim e minhas emoções. Descobri que isso é verdade com aqueles que aconselho e suas emoções. É verdade para você também? É assim que você tende a pensar sobre as emoções e o cristianismo?


Se eu pudesse me tornar mais como Cristo, então minhas emoções angustiantes, desconfortáveis, dolorosas e negativas desapareceriam e seriam substituídas por emoções confortáveis, agradáveis ​​e positivas como paz, alegria, esperança e amor.

Ou, mais simplesmente, pensamos que Deus promete uma fórmula como esta:


Semelhança com Cristo = Vitória sobre emoções desagradáveis

Semelhança com Cristo = Paz Perfeita sem Emoções Desagradáveis


Quem é a pessoa mais semelhante a Cristo que você conhece?


Pense na pessoa mais semelhante a Cristo que você conhece. Imagine-o. Nomeie-o. Quem é esse?


Bem, foi uma pergunta capciosa, porque, é claro, a pessoa mais semelhante a Cristo é... Cristo.


Agora, imagine Cristo e Suas emoções, Sua vida emocional, Suas experiências emocionais.


Cristo – o Deus-Homem perfeito, em perfeita comunhão com o Pai – experimentou apenas emoções agradáveis?


Homem de Dores


Considere alguns exemplos de Cristo e emoções angustiantes, experiências emocionais desconfortáveis:


Cristo é o Homem de Dores, experimentado no sofrimento (Isaías 53:3). Toda a sua vida emocional é caracterizada pelas Escrituras como repleta de tristezas, cheia de dor.

Jesus chorou (João 11:35). Jesus chora com os que choram, assim como o Espírito geme com os que gemem (Romanos 8:26-27), e assim como o Pai é nosso Pai de compaixão (co-paixão) e Deus de toda consolação (2 Coríntios 1: 3-4).


“Jesus olhou para eles com raiva e profundamente angustiado com seus corações obstinados...” (Marcos 3:5). Jesus experimentou raiva e angústia profunda. Claro, é raiva sem pecado e angústia sem pecado, mas ainda assim, raiva e angústia…


Jesus no Jardim


Em Mateus 26; Marcos 14; e Lucas 22 encontramos talvez os exemplos mais intensos e inspirados de Jesus e Sua experiência emocional angustiante.


No contexto (Mateus 26:2; 26-29, 31), Jesus tinha plena consciência de que dentro de dois dias seria entregue para ser crucificado.


Se você soubesse que em dois dias seria assassinado da maneira mais dolorosa possível, mesmo que você fosse a pessoa mais piedosa viva hoje, o que você sentiria?


Multiplique isso infinitamente pelo fato de que Jesus sabia que não apenas sofreria agonia física, mas espiritualmente Ele levaria sobre Si o pecado do mundo.


A absoluta impecabilidade de Cristo e Sua perfeita proximidade e absoluta dependência do Pai significavam que Ele experimentaria paz perfeita na ausência de todas as emoções angustiantes, certo? Errado.


Jesus e Sua Experiência Emocional no Jardim


Jesus vai ao Getsêmani e ora três vezes em perfeita comunhão com Seu Pai perfeito.


Nesse estado de comunhão, o que Jesus experimentou emocionalmente?


“Ele começou a ficar triste e perturbado. Então ele lhes disse: ‘Minha alma está profundamente triste até a morte. Vigiai comigo’” (Mateus 26:37-38).


“E ele começou a ficar profundamente angustiado e perturbado. ‘A minha alma está profundamente triste até à morte’” (Marcos 14:33-34).


“E estando angustiado, orava com mais fervor, e seu suor era como gotas de sangue caindo no chão” (Lucas 22:44).


Vamos explorar as várias palavras usadas nessas três passagens para descrever a experiência emocional de Cristo.


Doloroso em Mateus 26:37: A palavra grega é lypeo, que significa estar angustiado, sentir dor, estar triste, sentir tristeza, estar triste, estar aborrecido.

Atribulado em Mateus 26:37: A palavra grega é ademoneo, que significa estar cheio de aflição, cheio de angústia, perturbado, deprimido e triste.

Oprimido pela tristeza em Mateus 26:38: A palavra grega é perilypos que significa muito triste, extremamente triste, extremamente triste, muito angustiado.

Profundamente angustiado em Marcos 14:33: A palavra grega é ekthambeo, que significa ser dominado pelo alarme, ser dominado pela angústia.

Estar angustiado em Lucas 22:44: A palavra grega é agonia que significa agonia, angústia, luta violenta.


Força em meio a Emoções Angustiantes


Todas essas emoções intensas, dolorosas e angustiantes ocorreram mesmo quando “um anjo do céu apareceu e o fortaleceu” (Lucas 22:43).


Jesus recebeu força em Suas emoções angustiantes.


Orávamos: “Fortalece-me para que eu não experimente emoções angustiantes!”


Qualquer pessoa honesta e empática pode se identificar com essa oração, mesmo que nosso Pai nunca tenha prometido a ausência de todas as emoções angustiantes.


Jesus orou várias vezes para que, se fosse possível, a próxima situação angustiante pudesse ser removida. Paulo orou várias vezes para que a situação angustiante atual – seu espinho na carne – fosse removido

(2 Coríntios 12:7-8).


Jesus orou para que a vontade do Pai fosse feita. “Meu Pai, se for possível, passe de mim este cálice. Contudo, não seja como eu quero, mas como tu queres” (Lucas 22:39). Paulo também se rendeu à vontade do Pai em meio ao seu tormento (2 Coríntios 12:9-10).


Jesus não negou sua angústia emocional. Ele enfrentou e sentiu isso completamente. Ele compartilhou isso honestamente com Seus discípulos (embora eles tenham respondido de maneira imperfeita). Ele o enfrentou francamente face a face com Seu Pai, clamando a Ele em oração dependente e humilde, em rendição à boa, mas difícil vontade de Seu Pai.


10 Princípios Bíblicos Sobre Emoções - Extraídos da Vida Emocional de Cristo


1. A santidade de Cristo não o impediu de experimentar emoções horrivelmente angustiantes.


2. A santidade de Cristo levou-o a entregar-se e a confiar-se à vontade do Pai na presença de emoções angustiantes.


3. A semelhança com Cristo não nos protege de emoções horrivelmente angustiantes.


4. A Bíblia não promete que a proximidade com Deus evita emoções terrivelmente angustiantes.


5. Como Cristo, podemos enfrentar e sentir plenamente nossas emoções face a face com o Pai — que é o Pai da compaixão e o Deus de toda consolação. Nossas emoções angustiantes nos levam ao Pai em oração desesperada e dependente (veja também 2 Coríntios 1:8-9 – as emoções angustiantes de Paulo o levaram a confiar não em si mesmo, mas no Deus que ressuscita os mortos).


6. Quando surgem emoções angustiantes, em vez de negá-las, podemos enfrentá-las e senti-las plenamente. É normal sofrer em um mundo caído. Não há problema em querer e pedir humildemente que Deus intervenha em nossa situação e console nossas almas. É saudável e útil compartilhar nossas emoções angustiantes honestamente com os outros – a tristeza compartilhada é uma tristeza mais suportável.


7. Porque Cristo experimentou emoções humanas angustiantes, Ele é nosso Sumo Sacerdote compassivo que se compadece de nossa fraqueza, enfermidades e sofrimento emocional (ver também Hebreus 4:14-15).


8. Nosso compassivo Sumo Sacerdote nos dá graça para nos ajudar em nosso tempo de necessidade – Ele não promete remover nosso tempo de necessidade; Ele não promete remover nossas emoções angustiantes; (veja também Hebreus 4:16).


9. Não existe na Bíblia um “evangelho de saúde e riqueza emocional” – a Bíblia não promete liberdade de sofrimento emocional neste mundo caído

(veja também Romanos 8:18-27).


10. Confie em Deus pelo que Ele promete, não pelo que Ele não promete. Deus promete estar conosco em nosso sofrimento emocional; Ele promete nos confortar em nosso sofrimento emocional; Ele promete usar nosso sofrimento emocional para nos aproximar Dele quando decidimos nos render e nos apegar a Ele. Deus não promete remover nosso sofrimento emocional - até o céu, quando todo sofrimento emocional será removido para sempre.



7.234 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page